Biografia


Primeiros Passos:

Amy Jo Johnson nasceu na pequena cidade de Dennis, na região de Cape Cod, Massachusetts, EUA, em 6 de outubro de 1970. Ela era uma menina normal e assim como muitos de nós, tinha um sonho: queria ser artista. Filha de Greig Johnson, um vendedor de automóveis, e sua esposa Christine Johnson, que administrou por muito tempo uma loja de roupas, Amy Jo tornou-se interessada por ginástica ainda na infância e aos 7 anos começou a treinar no Clube de Ginástica de Cape Cod.

Depois de 4 anos treinando, ela já estava participando de campeonatos ao longo de toda a América do Norte e Europa. Porém, depois de se formar no colegial, suas vontades mudaram. O sonho de ser atriz falou mais alto e Amy deixou a academia de ginástica, passando o próximo ano trabalhando e economizando dinheiro para seu plano de estudar artes cênicas em Nova York. Ela fez o teste para a The American Musical and Acting Academy (Academia Americana Musical e Dramática) e assim que foi aprovada, mudou-se para Nova York.

Depois de um ano e meio estudando, ela mudou-se para Los Angeles, mas os dois primeiros meses lá não foram fáceis e Amy chegou até a voltar para casa. Tudo mudou quando ela ficou sabendo que o produtor executivo de "Mighty Morphin Power Rangers" estava procurando por alguém com habilidades em Ginástica. Ela viajou até a Califórnia, fez o teste para o papel, foi aprovada e pôde começar sua vida em Los Angeles. Em poucos meses, ela tinha casa, amigos e seus sonhos começavam a se realizar.


O início da fama:

Assim, em 1993, surgia a tão sonhada chance de um papel na TV. Em Mighty Morphin Power Rangers ela era a Power Ranger Rosa, Kimberly Hart. A série mesclava cenas dos atores americanos com cenas de um Super Sentai japonês: Zyuranger (1ª temporada). Não demorou muito para "Power Rangers" se tornar popular, virando um dos programas infantis mais assistidos dos Estados Unidos. Isso levou Amy e os demais atores para as telonas através do primeiro filme da série: Power Rangers - O Filme, filmado em Sydney, na Austrália.

Depois do sucesso nos cinemas, iniciou-se na TV a terceira temporada dos heróis, que usava cenas de outro Super Sentai japonês: Kakuranger. Na metade dessa temporada, Amy resolveu deixar a série, sendo substituída por Catherine Sutherland. Na época, ela declarou que amava a personagem que interpretava, mas se considerava nova para se dedicar tanto a um seriado. Além disso, Amy sentia-se oprimida pelo sucesso espantoso da série. Ela não queria passar por isso tão cedo. Ela queria ter privacidade, queria tocar violão, pintar e fazer teatro.


Teatro e filmes:

Então, Amy passou um tempo somente dedicando-se ao teatro, atuando em peças como Much Ado About Nothing (Muito Barulho Por Nada), de William Shakespeare, no Teatro Pasadena's Knight Bridge.

Em 1996, Amy pôde ser vista na TV no papel principal do filme Susie Q, uma produção orginal do canal Disney Channel. Ela havia gravado esse filme antes de finalizar sua participação na série Power Rangers. Amy interpreta Susie Quinn, uma fantasma adolescente que estava de volta ao seu antigo lar, disposta a ajudar sua família. Logo depois, Amy apareceu como convidada em episódios das séries Campus Cops, The Eddie Files e Galera do Barulho: Nova Geração.

Em 1997, ela voltou as raízes, interpretando novamente Kimberly junto com Austin St. John (Jason, primeiro Ranger Vermelho) no filme Turbo: Power Rangers 2. Dessa vez, sua personagem havia sido capturada por Divatox, uma nova vilã que planejava usá-la como sacrifício no vulcão de Maligore.

Depois de sua volta ao universo Ranger, Amy atua em vários filmes. Ao lado de Mario López, ela protagoniza o filme O Terror Ronda a Escola, uma adaptação do livro de Lois Duncan na NBC. No filme, ela interpreta Susan McConnell, a aluna queridinha do professor. Já em Corpo Perfeito, ela vive uma ginasta bulemica e nos cinemas uma vampira, no terror Filhos das Trevas. Também faz uma participação no filme Prova de Fogo, produzido por Tom Cruise.


O grande salto:


Então, Amy é convidada a fazer uma das personagens de maior sucesso de sua carreira: Julie Emrick, uma estudante que se torna a melhor amiga da personagem central da série Felicity, produzida pela Warner Bros e exibida no Brasil pelo SBT.

Em pouco tempo, Felicity se torna uma das séries de maior audiência da WB e passa a ser aclamada pela crítica. Interpretando Julie Emrick, Amy vira ícone entre jovens e adultos. Pela sua atuação, ela ganha indicações a vários prêmios como o Teen Choice Awards da Fox e a série conquista um Emmy e indicações ao Globo de Ouro.

No roteiro original Julie tinha dotes de dançarina, mas Amy sugeriu aos produtores que Julie tivesse habilidades para música, já que assim podia mostrar sua voz e violão, que ela já vinha usando na banda Valhalla, formada por ela e amigos. Assim, Julie tornou-se uma estudante de música e violonista.

Foi nesse momento, que Amy Jo teve a oportunidade de apresentar Puddle Of Grace, música que ela mesma escreveu para a sua mãe. Sendo primeiramente uma música pessoal, Amy não tinha planos de grava-lá. Mas depois de ouvi-lá cantar, o criador da série Felicity, J.J. Abrams, convidou-a para a gravar a música nos estúdios da Hollywood Records, para que ela pudesse fazer parte da trilha sonora oficial da série. Assim, Puddle Of Grace foi lançada no CD Felicity Soundtrack e acabou virando o principal destaque do álbum. Pouco tempo depois tornou-se single nas rádios de todo o mundo como divulgação da série, chegando a posicionar-se na Billboard.

Em meio a esse grande momento na TV e na música, Amy passou por um período de imensa tristeza devido a morte de sua mãe. Ficção e realidade se misturaram pois assim como Amy na vida real, Julie Emrick também sofria pela falta de sua mãe. A letra da canção Puddle Of Grace se encaixava bem com a personagem, que buscava conquistar sua mãe biológica.


Na Estrada do Rock e primeiro álbum:


Seu reconhecimento na música fez com que Amy ganhasse o papel principal do filme Na Estrada do Rock, uma biografia sobre a vida da cantora Nansi Nevins, vocalista da banda Sweetwater. Para o filme, Amy regravou as canções da banda que se tornou lenda após abrir o Festival de Woodstock em 1969. Amy mudou seu visual para as gravações, usando um aplique que deixou seu cabelo com o dobro do tamanho. Ela e os demais atores tiveram figurinos, carros e todo conceito hippie do final dos anos 60 marcando seus personagens. Amy gravou o filme paralelamente a Felicity, que estava em sua segunda temporada.

"Na Estrada do Rock" teve sua estréia no dia 15 de Agosto de 1999, com exclusividade no horário nobre da VH1 e trazia o slogan: "Eles foram vistos por 500 mil em Woodstock, mas ninguem ouviu falar neles de novo". O filme atingiu a maior audiência do canal no ano, ficando a frente do tradicional concerto VH1 Divas. É até hoje o filme mais bem sucedido produzido pelo canal VH1.

Em 2000, no início da terceira temporada, Amy decidiu deixar o elenco de Felicity. Ela declarou que estava disposta a atuar em novos projetos, trabalhar em suas composições e planejar a gravação de um álbum. Assim que deixou a série, Amy participou dos filmes Pursuit of Happiness e Liars Club, fez uma aparição na série ER - Plantão Médico e estrelou o conto de terror “Uma parada na estrada”, da série Night Visions.

Ela também passou a ser vista frequentemente nas atrações musicais do canal VH1, como o Rock Across America, onde Amy chegou a ser apresentadora de um dos episódios. Também esteve no especial Fairway to Heaven, onde ao lado de diversas celebridades, ela mostrou suas habilidades jogando Golf.

No final de 2001, Amy deu mais um passo em sua carreia musical, lançando seu primeiro CD intitulado The Trans-American Treatment. Junto com o lançamento do CD, ela também estreou em Los Angeles, sua primeira turnê de shows com sua nova banda, The Amy Jo Johnson Band. Do primeiro CD saíram singles como Splashin' Rain e Cat In The Snow, ambos com grande aceitação nas rádios.

Em maio de 2002, Amy integrou o elenco do musical Love, Janis, que estava em seu segundo ano no Village Theatre em Nova York. Tendo como alternante a cantora Laura Branigan, Amy interpretou a protagonista, Janis Joplin, cantando 19 de suas músicas durante o espectáculo. A peça, que celebrava a carreira e vida de Janis Joplin, foi inspirada no livro homônimo, escrito pela irmã de Janis, Laura. Porém, em menos de um mês, Amy foi demitida da produção devido conflito com sua agenda de shows e o ritmo das apresentações que exigiam de sua voz algo que ela não conseguia fazer.

Apesar dessa demissão, Amy ergueu a cabeça e continuou em busca de seus ideais. Ainda em 2002, escreveu o conto Memories of My Mother, que foi publicado no livro Chicken Soup for the Teenage Soul on Tough Stuff e ganhou novas aparições na TV: Ela atuou em um episódio da sitcom, Spin City, onde contracenou com Charlie Sheen e também aceitou um convite de J.J. Abrams, para voltar a interpretar Julie Emrick, dessa vez como convidada especial, nos últimos episódios da série Felicity, que estava chegando ao fim depois de 4 temporadas.

Nos cinemas em 2002, Amy apareceu junto com James Marsden e Gary Oldman, no filme Viagem sem destino, que também incluía no elenco nomes conhecidos de Hollywood como Christopher Lloyd, Amy Smart, Kurt Russell e Chris Cooper.


Filmes, Trabalho voluntário e The Divison:


Amy volta aos cinemas em 2002. Dessa vez interpretando Jesse, uma mulher que junto de seus amigos, tenta escapar de moscas mutantes no terror Infested: A Invasão, produzido pela Sony Pictures. Já em 2003, Amy estrela o filme Trilha Indomável. Ela vive Elizabete Kennedy, uma jovem que ao ficar sozinha no violento velho oeste norte-americano, tem seu destino nas mãos do caçador de recompensas John Mckay (Burt Reynolds).

Em julho de 2003, Amy junta-se a Global Children's Organization, uma organização que ajuda crianças carentes e traumatizadas pela violência e pela guerra. Amy então viajou para Mostar na Bósnia, começando seu trabalho como voluntária. Ela participou ativamente do acompanhamento de verão e de oficinas visando as atividades educativas e criativas para as crianças ajudadas pela organização.

Ainda na Bósnia, após conhecer o Pavarotti Music Centre, uma instituição de ensino musical, sem fins lucrativos e construida pelo apóio financeiro de Luciano Pavarotti, Brian Eno, e dos membros do U2, Amy decidiu começar ali a gravação de seu segundo álbum. Ela contou com a ajuda de seus amigos, Tony Peskin na percussão e Johanna Graclik no piano e no backing vocal, produzindo assim, as versões de estúdio de Dancing In-Between, Blue Butterfly Boy e Free.

No final de 2003, Amy recebeu o convite para fazer parte do elenco da série The Division, gravada em San Francisco, na California. Passando a integrar a série, Amy decidiu adiar a produção de seu segundo álbum, o que levou as três faixas já gravadas na Bósnia a serem engavetadas. Sua personagem na série, a oficial Stacy Reynolds, é uma nova integrante da esquadra policial de mulheres de São Francisco.

Atuando em The Division ao longo de 2004, Amy teve um de seus sucessos, a canção Cat In The Snow, tocada em um dos episódios. Ela também gravou uma participação no especial de fim de ano do canal VH1, o I Love The 90's, documentário em 10 episódios sobre a programação da TV nos anos 90.


Segundo álbum, uma vilã e filmes:


Após o fim de The Division, em 2005, Amy decidiu lançar o segundo álbum, adiado dois anos antes. Porém, ela queria algo mais profundo que o álbum anterior. Ela queria uma gravação onde ela pudesse colocar sua alma, algo que fosse simples e puro para que a honestidade de suas composições fosse colocada ainda mais em primeiro plano.

Surge então o álbum ao vivo intitulado Imperfect, um registro de uma de suas apresentações acústicas, gravada em Hollywood em Setembro de 2004. Nessa compilação, que reuniu composições inéditas a composições do primeiro CD, a música Dancing In-between foi apresentada pela primeira vez ao público. Durante o álbum, podem ser ouvidas pequenas mensagens sobre a vida, gravadas por Amy em um estúdio, especialmente para preencher o espaço entre as músicas.

Em julho de 2005, Amy é convidada a viver Tina Sharp, vilã da série Wildfire, produzida pelo canal ABC Family. Em Wildfire, Tina Sharp é uma famosa jóquei que faz de tudo atrapalhar a vida da iniciante Kris Furillo (Genevieve Cortese). Amy permanece no elenco de Wildfire durante a primeira temporada, voltando depois como convidada especial em alguns episódios da segunda e da terceira temporada.

No mesmo ano, Amy também foi a co-produtora do longa In Memory of My Father, escrito pelo seu namorado na época, Christopher Jaymes. O filme foi exibido em festivais de cinema do Estados Unidos e chegou a ser apresentado na 29ª Mostra Brasileira de cinema em 2005. 

Amy passa o ano de 2006 envolvida em diferentes produções. Primeiro, ela estrela o filme Magma, uma produção original do Sci-Fi Channel para a televisão. Nesse filme sobre ficção científica, ela interpreta Brianna Chapman, uma estudante que ao lado de seu professor, embarca numa perigosa expedição em busca de vulcões ativos.

Depois, sendo convidada novamente por J.J. Abrams, ela aparece no episódio de estréia da seriado What About Brian. Amy vive a namorada louca de Brain, Karen, conhecida na série como "Garota do Carro". Ela ainda repete sua personagem em mais dois episódios da segunda temporada. Amy também participa do filme independente Islander, gravado na costa Maine.

Por fim, ao lado dos atores Sean Patrick Flanery e Kate Walsh, ela viaja para o México para gravação do filme Veritas, Prince of Truth. Amy estrela no papel de Marty Williams, uma protetora dos animais, que junto com seu filho embarca numa aventura mágica junto com um super héroi conhecido como "Veritas". O filme foi lançando com sucesso nos cinemas mexicanos e posteriormente chegou aos Estados Unidos.

No final de 2006, Amy protagoniza o filme Fatal Trust, uma produção para o canal Lifetime. Ela interpreta Kate, uma secretária que tenta recomeçar sua vida em uma pequena cidade, mas cai nas garras de um perigoso homem.


Partida de Los Angeles:

No início de 2007, após tirar férias e viajar pelo mundo, visitando países como Argentina, Angola e Tailândia, Amy decidiu abrir mão de sua vida em Los Angeles depois de 15 anos morando na cidade. Sua partida de Hollywood esteve ligada principalmente a sua desistência de atuar. Com a intenção de deixar a carreira de atriz e fugir dos holofotes, Amy escolheu morar na cidade de Montreal, no Canadá.

Em dezembro de 2007, ela aceitou um convite de Koishii e Hush e gravou a balada eletrônica Since You're Gone, música que ganhou quatro versões lançadas em um CD single. Ela também foi o principal destaque da coletânia "Souvenirs". Amy também realizou sua primeira apresentação acústica no Canadá, em janeiro de 2008.

Feliz, morando em novo país e apaixonada por um franco-canadense (seu noivo, Olivier Giner), Amy estava fazendo o que queria, pinturas, yoga e músicas que ela passou a disponibilizar em sua página oficial no myspace. Porém, em março de 2008, surgiu uma chance tentadora para voltar a TV. No início, Amy pensou em recusar, mas foi convencida por seu noivo a aceitar esse novo trabalho.


Flashpoint e gravidez:

Flashpoint surgiu de uma parceira entre a emissora canadense CTV e americana CBS. Já existia um episódio piloto gravado quando em 2008, Amy foi escalada para o papel de uma das protagonistas, a atiradora de elite Jules Callaghan. Com um novo roteiro, Flashpoint começa a ser produzida tendo Amy Jo Johnson e os canadenses Enrico Colantoni, Hugh Dillon e David Paetkau formando o elenco principal da série. Mas havia um problema: Amy estava grávida.

Ela contou aos produtores da série sobre a sua gravidez, mas eles a queriam da mesma forma. Eles explicaram que dariam um jeito de afasta-lá das gravações e que algo aconteceria com sua personagem para que ela pudesse tirar sua licença-maternidade. Sendo assim, Amy começa a filmar a série mais física e intensa em que já atuou. Já na primeira semana, Amy e os demais atores receberam treinamento com a verdadeira equipe da força tática policial de Toronto. Ao longo dos meses, o crescimento de sua barriga foi escondido atráves do uniforme e dos equipamentos pesados dos policias da série.

Amy também teve a oportunidade de ter uma de suas músicas na trilha sonora da série. A versão inédita de estúdio de Dancing In-between, gravada na Bósnia, foi a escolhida para tocar durante a trama e Amy aproveitou para lançar essa gravação inédita em CD single. O CD foi lançado em agosto de 2008 e a música, impulsionada pela audiência da série, virou sucesso nas rádios canadenses.

Em poucos meses após sua estreia, Flashpoint conquistou seu espaço como uma das grandes audiências da TV canadense, garantido todas as semanas o primeiro lugar no horário nobre para a CTV. Os altos índices adiantaram a confirmação de seu segundo ano, anúnciado antes mesmo do termino de sua primeira temporada. Pela CBS dos Estados Unidos, a série também decolou, chegando a faixa dos 10 milhões de telespectadores semanais e levando diversas vezes a CBS a liderar as noites de sexta-feira.

Nos últimos momentos da primeira temporada, com a gravidez de Amy sendo bem perceptível e não tendo mais como esconder, sua personagem é atingida por um franco-atirador, o que a deixa temporariamente fora da equipe de policias. Através disso, Amy afasta-se das gravações para dar a luz a sua primeira filha, Francesca Christine Giner, que nasceu em dezembro de 2008. Mas não demorou para a Amy reassumir seu posto na série Flashpoint.

Em maio de 2009, na metade da segunda temporada, Amy voltou ao elenco de Flashpoint com seu papel de Jules. Nesse mesmo período, Amy casou-se com seu noivo Olivier Giner e estabeleceu sua residência em Toronto, deixando Montreal. Ela teve ainda outra de suas músicas na terceira temporada da série. A sua composição Goodbye, tornou-se tema do episódio chamado "Terror".


Premiações e estabilidade no Canadá:

Em 2009, pela sua atuação em Flashpoint, Amy foi indicada como "melhor atriz protagonista em série dramática", no Gemini Awards, a premiação mais importante da TV no Canadá, sendo equivalente ao Emmy americano. Ela também foi convidada a apresentar uma das categorias da cerimônia junto com seu companheiro de elenco Hugh Dillon.

Em agosto de 2010, paralelamente ao seu trabalho em Flashpoint, Amy Jo Johnson atuou como convidada especial filme de Alexa Vega, Summer Song. As gravações aconteceram na própria terra natal de Amy, na região de Cape Cod em Massachusetts. Apesar de ter sido exibido em alguns festivais de cinema, o filme ainda permanece inédito ao grande público.

Em novembro de 2010, Amy foi confirmada no elenco da versão cinematográfica do livro best-seller da escritora Judy Blume, Tiger Eyes. O filme foi gravado no estado americano do Novo México e durante o ano de 2012, ganhou elogios e prêmios dos principais festivais de cinema dos Estados Unidos. No ano seguinte, Tiger Eyes chegou aos cinemas com premiere mundial em 7 de junho de 2013.

Em abril de 2012, Amy Jo Johnson foi nomeada na categoria "melhor atriz de TV" no Monte Carlo TV Festival, cujo prêmio é a estatueta da Ninfa de Ouro. Essa foi a segunda vez que Amy foi nomeada a esse prêmio, sendo a primeira em 2010. Em ambas indicações, conquistadas pelo seu papel na série Flashpoint, Amy esteve representando o Canadá dentre representantes de mais de 25 países.

Depois do final de Flashpoint, que consolidou o nome de Amy Jo como uma principais estrelas da TV canadense, ela continuou aparecendo em produções do país, como na série de investigação criminal Cracked, no seriado infantil Bookaboo, e no filme especial de natal Coming Home for Christmas.


Estreia como cineasta e terceiro álbum:

Em Julho de 2012, Amy anúnciou pelo Twitter sua estreia como diretora e roteirista. Ela escreveu dois scripts: Bent e Craizer Than You, sendo o primeiro um curta-metragem e o segundo um longa. Os dois scripts possuem uma ligação entre si. Enquanto Craizer Than You narra a história de vida de Christine Johnson, a mãe de Amy Jo, Bent se passa 30 anos mais tarde, quando duas meninas do roteiro original crescem e enfrentam seus próprios demônios.

Em setembro de 2012, Amy iniciou uma campanha para a produção de Bent no site de arredação de fundos Indiegogo, com uma meta de 20 mil dólares. Em menos de um mês, a meta foi batida e o valor arrecadado foi superior ao esperado. Com o sucesso da campanha, as filmagens de Bent começaram um mês depois, em outubro de 2012. Além de produzir e dirigir, Amy também faz o papel principal, a personagem Amelia, que aparece ao lado de Sonya Salomaa e Michael Cram. O curta passou por festivais de cinema dos Estados Unidos e Canadá durante os anos de 2013 e 2014, conquistando prêmios e aclamação por parte da critica especializada.

Em junho de 2013, Amy anunciou o financiamento coletivo para seu segundo curta-metragem, Lines. O curta, onde ela novamente vive a personagem Amelia, mostra de forma cômica a importância da aceitação da aparência com o passar do tempo. Amy revelou que o objetivo do filme é trazer a recordação do sentido das coisas importantes da vida e abraçar a beleza de envelhecer graciosamente. Em julho de 2013, Amy começou a campanha de crowdfunding para a produção, conseguindo mais de 40 mil dólares em menos de 1 mês, o que levou a ser a campanha destaque do mês no Indiegogo.

Em novembro de 2013, Amy voltou ao cenário da música folk através do lançamento de seu terceiro álbum autoral, Never Broken. Na tracklist encontram-se músicas que ela escreveu ao longo de 10 anos, incluindo Relief, composição para o penúltimo episódio de Flashpoint, God, pertencente a trilha sonora de Bent e Lines que está presente no curta metragem de mesmo nome. A inédita Cracker Jacks foi a primeira música divulgada, estreando na rádio Chum FM de Toronto, onde se manteve entre as tocadas durante as duas semanas posteriores.

Em 2014, Amy Jo Johnson voltou para a TV americana, atuando na série de espionagem do canal USA Network, Covert Affairs. Ela iniciou sua participação a partir do segundo episódio da quinta temporada, no papel da agente da divisão contra o terrorismo, Hayley Price. Amy também lançou seu terceiro curta metragem, intitulado Shooting Blanks. O curta é um pequeno prólogo para o primeiro longa metragem de Amy Jo, The Space Between, e é estrelado novamente por Sonya Salomaa e Michael Cram. Amy é novamente Amelia, mas dessa vez somente sua voz está presente.

Ainda em 2014, Amy embarcou mais uma vez no site de crowdfunding Indiegogo para o financiamento de The Space Between, filme onde ela faz sua estreia como diretora e roteirista de um longa metragem. A campanha ultrapassou a meta de arrecadação e tornou-se uma das mais rentáveis do ano no site Indiegogo. Devido uma aposta feita pelo ator David Yost e em comemoração ao sucesso da campanha de arrecadação, Amy topou se vestir de Power Ranger Rosa e cantar ao vivo nas ruas de Toronto, fato que repercutiu na mídia internacional e fez seu nome ser um dos mais comentados nas redes sociais.

Em 2015, Amy Jo foi reconhecida com o prêmio de "projeto do ano" do site Indiewire devido sua campanha de crowdfunding para o filme The Space Between e é convidada a juntar-se ao grupo de cineastas selecionados do Tribeca Film Festival.

Últimas postagens: